MP quer garantir fornecimento de água em comunidades de SP
Reprodução / Google Street View

A Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo da Capital ajuizou nesta quinta-feira (2) uma ação civil pública pedindo a concessão de liminar para que a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) e o governo estadual apresentem, no prazo de 48 horas, um cronograma para garantir o abastecimento diário de água potável em todas as favelas paulistas.

Leia mais: Paraisópolis: Sabesp quer distribuir 1.200 caixas d’água para moradores

Na petição, os membros do Ministério Público frisam que o fornecimento, a ser feito por qualquer meio, como caixas d´água ou caminhões-pipa, não pode implicar na cobrança de taxas aos moradores em situação de vulnerabilidade, nem pode ser em quantidade inferior ao mínimo por habitante, de acordo com os parâmetros de organismos de saúde.

Leia mais: Sabesp faz lavagem do entorno de 35 unidades de saúde em SP

Os promotores de Justiça Camila Mansour Magalhães da Silveira, Roberto Luís de Oliveira Pimentel, Marcus Vinicius Monteiro dos Santos e Joana Franklin de Araújo, assinam a ação e querem que as providências sejam implementadas em até 72 horas após o vencimento do prazo para apresentação do cronograma.

Leia mais: SP suspende conta de água por 90 dias para famílias de baixa renda

Veja também

Saiba como economizar água, luz e gás durante a quarentena
Doria anuncia repasse de R$ 100 milhões para 300 Santas Casas de SP
Paulistanos buscam interior e litoral de SP para passar quarentena
MP investiga omissão de notificação de mortes por hospital em SP
Sabesp vai distribuir 2.400 caixas d’água em áreas carentes de SP

O pedido de liminar envolve ainda a apresentação, pela Sabesp e/ou Governo do Estado, da relação de todas as favelas situadas nos municípios atendidos pela rede fornecedora de água que venham a ser beneficiadas pela medida. Os membros do Ministério Público de São Paulo pedem que as providências sejam mantidas pelo prazo que se fizer necessário, ou seja, enquanto vigorarem as medidas de quarentena e isolamento social.

De acordo com Monteiro dos Santos, trata-se de uma ação civil pública emergencial, ajuizada diante da pandemia de covid-19, que não exclui o Ministério Público de atuar também em outras esferas ligadas às comunidades carentes.

A Promotoria instaurou um procedimento administrativo de acompanhamento do fornecimento de energia elétrica e gás de cozinha nas favelas da capital paulista. Segundo o MP, foram expedidos ofícios à Enel e ao Sindicato Nacional das Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) pedindo informações sobre medidas para garantia do fornecimento dos serviços nas comunidades.

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030